top of page

Rede para a Alimentação Equilibrada e Sustentável

Iniciou no passado mês de Março o projeto liderado pelo Food4Sustainability CoLAB, aprovado no âmbito da implementação da agenda de inovação "Terra Futura" - iniciativa emblemática Alimentação Sustentável.


Iniciou no passado mês de Março o projeto liderado pelo Food4Sustainability CoLAB, aprovado no âmbito da implementação da agenda de inovação "Terra Futura" - iniciativa emblemática Alimentação Sustentável.


A Rede Nacional para a Alimentação Equilibrada e Sustentável irá aplicar uma abordagem integrada que envolve os diferentes atores que operam no sistema alimentar. Visando uma mudança sistémica do comportamento alimentar e valorização da dieta mediterrânica, o consórcio desta iniciativa desenvolveu uma estratégia que prevê a implementação de um conjunto de atividades que têm como principais objetivos:

  • Promover a mudança de comportamentos para uma alimentação saudável e sustentável;

  • Estudar e monitorizar os diferentes fatores que influenciam e fomentam uma boa adesão à Dieta Mediterrânica;

  • Criar uma estrutura de caracterização dos Sistemas Alimentares Territoriais que apoie à decisão e definição de prioridades de intervenção;

  • Promover o trabalho em rede e cooperação entre os projetos que estão a ser implementados no âmbito do Plano Nacional para a Alimentação Equilibrada e Sustentável (PNAES).

Além da criação de um modelo de governança que promove a articulação de todos os parceiros da rede, o projeto prevê ainda a criação de um observatório dos sistemas alimentares territoriais que estuda e monitoriza indicadores que permitam caracterizar os sistemas alimentares locais, assim como o desenvolvimento de ferramentas que ajudam a fazer esta caracterização: referencial de valorização, app de ciência cidadã, ferramenta de mapeamento de produtos e produtores, entre outros materiais de comunicação e capacitação.


O projeto será dinamizado e implementado por uma parceria de 13 entidades.


O Food4Sustainability CoLAB (F4S), coordenador do consórcio tem como principais áreas de trabalho a criação da base metodológica para o desenvolvimento do Observatório de Sistemas Alimentares, apoio no desenvolvimento de ferramentas de valorização, e divulgação dos resultados e ações de promoção e disseminação. O Instituto Politécnico de Viseu (IPV) tem um papel central na definição de metodologias e validação do modelo de governança da rede e desenvolvimento de ferramentas de valorização. A Federação Portuguesa de Associações de Desenvolvimento Local (FMT) em representação do Centro de Competências para a Dieta Mediterrânica (CCDM) contribui para a ativação e dinamização do modelo de governança piloto a ser criado, promovendo a colaboração entre as diferentes operações do território. A Associação In Loco (IL) tem a responsabilidade de desenvolver os planos de capacitação a desenvolver para a rede, assim como a criação de uma identidade e campanha de comunicação e disseminação dos resultados do projeto. A Direção Regional da Agricultura e Pescas Centro (DRAPC) através do seu Pólo de Inovação em Viseu (PIV) contribuirá para o desenvolvimento das ações de disseminação de boas práticas agrícolas e identificação de produtos/variedades identitárias dos territórios. A Associação de Jovens Agricultores de Portugal (AJAP) através da sua cobertura em todo o território nacional irá contribuir para a disseminação e apoio na captação e transferência de conhecimento para os jovens agricultores. O consórcio conta ainda com empresas como a Ervital, a Renato Rocha Unipessoal, a Proventur Lda, a Torre da Palma, Lda, a Lafobio, Lda, a Egocultum, Lda, e a PlantInPots Lda, representantes do setor agrícola e de produtos identitários da dieta mediterrânica (ervas aromáticas, azeite, hortofrutícolas, leguminosas) contribuirão para validar as diferentes ferramentas criadas no âmbito do projeto, testar os pilotos desenvolvidos e auxiliar na identificação e correção de desvios para promover maior eficácia na implementação da estratégia definida.


Além dos parceiros ativos do consórcio, a iniciativa conta ainda com o apoio dos 22 líderes de projeto das operações do PNAES e com a cooperação transnacional de duas empresas: A Terra di EA – Sociedade Cooperativa Agrícolas e a Biosphere Internacional serão as entidades internacionais que trazem a expertise necessária para apoiar o desenvolvimento de atividades de capacitação e desenvolvimento de referenciais.


A parceria deste projeto promoverá um processo de co-construção, com diversas tipologias de atores – desde jovens agricultores e pequenos agricultores, PMEs, associações e sistema académico, científico e tecnológico e serviços técnicos públicos e privados, contribuindo para fortalecer as diversas interfaces setoriais e alicerçar a “Rede de Inovação” definida na Terra Futura – Agenda de Inovação para a Agricultura 20|30.


Para mais informações sobre este projeto por favor contacte:


Se se interessa por estas temáticas, fique atento às próximas atividades que resultarão deste projeto e envolva-se! Pode sempre rever a edição anterior dos webinars F4S Academy sobre Alimentação Sustentável aqui.


43 visualizações0 comentário

コメント


bottom of page